Juiz que ordenou prisões no MA já julgou improcedente ação por atraso


Homem acionou empresa após ser impedido de embarcar, em 2012.
Culpa pelo fato causado é do cliente, diz Baldochi no texto da ação.

Decisão proferida pelo juiz Marcelo Baldochi (Foto: Reprodução / TV Mirante)

O juiz Marcelo Baldochi, que deu ordem de prisão a três funcionários da TAM Linhas Aéreas em Imperatriz, no Maranhão, após ser impedido de embarcar em um voo por atraso, já julgou improcedente uma ação movida por um passageiro contra uma companhia aérea, pelo mesmo motivo, em 2012.
saiba mais


Na decisão, o magistrado diz que a culpa é exclusivamente do cliente. "Percebe-se que o autor chegou ao aeroporto para realizar check-in. Nota-se que as companhias aéreas recomendam chegada com antecedência mínima de uma hora para realização de check-in e meia hora para comparecimento ao portão de embarque. Era ônus, pois, do autor, comparecer ao portão de embarque com trinta minutos de antecedência e não chegar ao aeroporto, pois, da chegada ao portão de embarque, presume-se que já feito o check-in, razões pelas quais tomo por sua exclusiva culpa a responsabilidade pelo fato causado", diz o texto da decisão assinada por Baldochi.
Juiz que ordenou prisões em Imperatriz
tem histórico de polêmicas (Foto: Reprodução)

No sábado (6), os três funcionários foram mandados ao Plantão Central da Polícia Civil de Imperatriz após receberem ordem de prisão do juiz. Segundo depoimento dos três, ele teria ordenado as prisões ao ser impedido de entrar na aeronave minutos após os procedimentos de embarque terem sido encerrados. Eles alegam que o avião já estava pronto para decolar.

Um vídeo mostra a reação do juiz: "Tá preso em flagrante. Vou descer agora para registrar a ocorrência na delegacia. Quietinho! Não sai daí. Pra aprender a respeitar o consumidor".

Polêmicas
Baldochi já se envolveu em outras situações polêmicas. No ano passado, ele brigou com um flanelinha por causa de uma vaga de estacionamento, levou uma paulada na cabeça e ficou quase uma semana no hospital.

Em 2007, fiscais do Ministério do Trabalho resgataram 25 pessoas que trabalhavam em situação análoga à escravidão na fazenda do magistrado, na cidade de Açailândia, no interior do Maranhão. Eles não tinham carteira assinada e nem as mínimas condições de segurança e de higiene. O juiz não foi punido criminalmente e o caso acabou sendo arquivado.

Repúdio
A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) repudiou a atitude do juiz Marcelo Baldochi e divulgou em nota que considera inadmissível qualquer atitude que represente abuso de poder. A Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA) também se manifestou.

"Se for observado algum tipo de excesso, que haja efetivamente a punição. Porque nós, magistrados do Estado do Maranhão, não compactuamos com esse tipo de atitude", garantiu o presidente da AMMA Gervásio Protásio.







fonte: G1 maranhão

Notícias Relacionadas

GERAL 2990475718658394512

Postar um comentário

Um comentário

Sidney Sá disse...

boa noite!
Sou agente de viagens e independente de quem quer que seja o passageiro e afim de evitar outros problemas dessa natureza, informo que a ANAC através do site: www.anac.gov.br na aba PASSAGEIRO: "GUIA DO PASSAGEIRO" diz o seguinte a respeito do check-in:
- Quanto tempo antes do voo eu devo chegar ao aeroporto?
R= Você deve se apresentar para o check-in no horário estipulado pela companhia aérea. Na maior parte das vezes, deve-se obedecer ao prazo de pelo menos uma hora de antecedência para voos nacionais e duas horas para voos internacionais. Consulte sua companhia aérea a respeito antecipadamente.

Enquete

Canal de Videos

Últimas Notícias

Encontre-nos no Facebook

CNT Oline

item