Aécio: PSDB não deve se opor a tucanos no governo Temer

Presidente do partido, senador mineiro reafirmou, no entanto, posição pessoal contrária à adesão a eventual governo do vice-presidente


Senador Aécio Neves (PSDB) participou de reunião com a bancada tucana na Câmara nesta terça-feira(Adriano Machado/Reuters)

Presidente nacional do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) defendeu nesta terça-feira que o vice-presidente Michel Temer deve tratar em nível institucional a participação de tucanos em seu eventual governo. Segundo o tucano, a direção da legenda "não deverá se opor" a essas participações.

"Se amanhã o presidente Michel Temer optar por querer nossa participação, deverá fazer institucionalmente com a direção do partido, que não deverá se opor", disse o tucano após reunião de quase três horas com a bancada do PSDB na Câmara para discutir como a legenda se portará em um eventual governo do peemedebista.


A declaração de Aécio foi um recado direto a Temer de que uma indicação do senador José Serra (SP), o principal nome da sigla cotado para integrar o primeiro escalão do iminente governo Temer, deve ser negociada com a direção partidária, e não diretamente com o tucano a ser indicado. No domingo passado, Serra se reuniu a sós com Temer em Brasília.

Embora tenha dito que não vai se opor como presidente do partido, o senador mineiro sinalizou que pessoalmente continua contra o PSDB assumir cargos no governo. "Para mim, cargos são secundários", disse, ao ser questionado se as declarações desta terça significavam uma mudança de opinião pessoal.

A participação dos tucanos em um eventual governo Temer divide os principais caciques do PSDB. Enquanto Serra tem sido o principal entusiasta da adesão, Aécio e o governador paulista Geraldo Alckmin, que também planejam disputar a Presidência em 2018, são pessoalmente contra.

O presidente do PSDB também rechaçou a proposta de que tucanos que assumirem cargos em um futuro governo Michel Temer devem se licenciar do partido. A ideia foi defendida por membros da legenda, como o secretário-geral da sigla, deputado federal Silvio Torres (SP).

Na entrevista, Aécio confirmou que o partido deverá apresentar na reunião da Executiva Nacional do partido, marcada para 3 de maio, uma "agenda emergencial", com 12 a 15 propostas de saída para a crise econômica que o Brasil vive, que será entregue a Michel Temer.

(Com Estadão Conteúdo)

Notícias Relacionadas

POLITICA 7602064908640912633

Postar um comentário

Câmara Municipal de Imperatriz

Câmara Municipal de Imperatriz
FAZENDO MAIS PELA NOSSA CIDADE

Enquete

Canal de Videos

Últimas Notícias

Encontre-nos no Facebook

CNT Oline

item