PSDB usa governadores para pressionar parlamentares pelo impeachment

Oposição reiterou apoio a interrupção do mandato da presidente e Aécio Neves afirmou que Dilma 'perdeu as condições mínimas de governar e de retirar o Brasil dessa crise'

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, discursa durante reunião entre lideranças do partido, em São Paulo (SP), para apoiar o impeachment de Dilma Rousseff - 08/04/2016(Miguel Schincariol/AFP)

A três dias da votação do relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO) sobre o pedido de impedimento da presidente Dilma Rousseff (PT), lideranças do PSDB se reuniram em São Paulo para reiterarem o apoio ao afastamento de Dilma. "O PSDB, através dessas lideranças, reafirma o seu compromisso absoluto com a interrupção do mandato da presidente Dilma Rousseff pela via constitucional do impeachment. Não por uma vontade daqueles que com ela disputaram a eleição, mas por uma constatação que nos une a todos de que ela, infelizmente, perdeu as condições mínimas de governar e de retirar o Brasil dessa crise extremamente aguda na qual o seu partido e o seu governo nos mergulhou", afirmou o presidente nacional do partido, senador Aécio Neves.

Em coletiva de imprensa concedida logo após o encontro, Aécio afirmou que os governadores do PSDB estão trabalhando em seus respectivos estados junto aos parlamentares para "tentar construir através de um grande entendimento, uma agenda de emergência para que o Brasil retome o crescimento, o emprego e a renda".

O encontro aconteceu na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes e durou cerca de duas horas. Participaram da reunião o senador Aécio Neves, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, parlamentares, como os senadores José Serra e Aloysio Nunes Ferreira, o deputado Silvio Torres, governador de São Paulo Geraldo Alckmin, Beto Richa, governador do Paraná, além de Pedro Taques, governador do Mato Grosso e o líder do partido na Câmara, Antônio Imbassahy.

FHC reiterou o posicionamento de Aécio Neves alegando que há responsabilidade políticas, de pessoas e de partidos e que chegou a hora de dar um basta na corrupção. "Por penoso que seja interromper um mandado, mais penoso é ver o Brasil se esfacelar e ver que não existe capacidade do atual governo de se recompor, de se reconstruir. Oportunidades tiveram, e muitas. Não as aproveitaram.", disse.

Geraldo Alckmin também se pronunciou a favor do impeachment da presidente Dilma e ressaltou a atual crise econômica e alta da taxa de desempregos principalmente entre os jovens. "A população brasileira quer mudança. Nós temos lado, estamos do lado da mudança para ajudar o país a passar por esse período de grande dificuldade".

(VEJA.COM)

Notícias Relacionadas

POLITICA 1401997706537266876

Postar um comentário

CÂMARA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ

CÂMARA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ
Fazendo mais pela nossa cidade

Enquete

Canal de Videos

Últimas Notícias

Encontre-nos no Facebook

CNT Oline

item