Vantagem de Hillary sobre Trump cresce, segundo novas pesquisas

Ex-secretária de Estado está cinco e doze pontos porcentuais, respectivamente, à frente de seu adversário na corrida presidencial americana

A democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump(Brian Snyder/Reuters)

Duas pesquisas publicadas neste domingo apontam a vantagem da candidata democrata Hillary Clinton sobre o republicano Donald Trump na corrida para as eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos.

A pesquisa divulgada pelo jornal The Washington Post e pela rede de televisão ABC News, realizada entre os dias 21 e 23 de junho com 836 eleitores, mostra a ex-secretária de Estado com 51% das intenções de voto, contra 39% para Trump - uma vantagem de doze pontos porcentuais. A margem de erro é de aproximadamente quatro pontos porcentuais.

De acordo com o levantamento, dois em cada três americanos consideram que Trump não está qualificado para governar o país e manifestam preocupação com as atitudes que o candidato republicano pode assumir em relação às mulheres e às minorias, em particular os muçulmanos. Em maio, nessa mesma pesquisa, a vantagem de Hillary era de apenas dois pontos, 46% a 44%.

A pesquisa divulgada pelo jornal The Wall Street Journal e pela rede NBC News, por sua vez, mostra uma diferença menor, mas também com Hillary na frente, com 46% para a ex-secretária de Estado e 41% para o magnata republicano. A segunda pesquisa entrevistou 1.000 eleitores registrados, entre os dias 19 e 23 de junho, e tem margem de erro de 3,1 pontos percentuais. A diferença entre os números divulgados neste domingo e os da rodada anterior também cresceu: na versão passada do levantamento, Hillary estava com 46% e Trump, com 43%.

Os levantamentos foram realizados após um mês turbulento para o candidato conservador, que demitiu seu diretor de campanha. Em maio, Trump arrecadou apenas 1,3 milhão de dólares para sua chapa e Hillary, 42 milhões de dólares. Também em maio, o republicano atacou um juiz que investiga a Universidade Trump por sua "herança mexicana" e foi muito criticado por ter afirmado, depois do massacre em uma boate gay de Orlando, que tinha razão ao advertir sobre os perigos representados pelo "radicalismo islâmico" nos Estados Unidos. fonte:veja.com

Notícias Relacionadas

POLITICA 5345290698175797787

Postar um comentário

Enquete

Canal de Videos

Últimas Notícias

Encontre-nos no Facebook

CNT Oline

item