BOMBA, BOMBA, E AGORA LULA: Caixa rebate tese da defesa de Lula

Alto funcionário rebate tese de que o apartamento seria do fundo FI-FGTS
Por Bianca Alvarenga
Lula: alegações finais foram entregues ao juiz Sergio Moro (Leonardo Benassatto/Reuters)

Um alto funcionário da Caixa Econômica Federal, perguntado sobre a tese da defesa de Lula, afirmou que não há hipótese do banco ser dono do tríplex do Guarujá.
Segundo ele, a Caixa comprou debêntures da OAS Empreendimentos em 2009. A transação, entretanto, nada tem a ver com o fundo FI-FGTS e a debênture já foi quase toda amortizada.
O funcionário afirma que o edifício Solarias era uma das garantias nessa transação. Mas, como a dívida não foi executada, ele nunca pertenceu à Caixa.
Nas alegações finais entregues ao juiz Sergio Moro nesta terça (20), a defesa do ex-presidente Lula disse que o apartamento 164 A, do edifício Solaris, está em nome da OAS Empreendimentos S/A.
Os advogados dizem que, desde 2010, o fundo FI-FGTS detém 100% dos direitos econômicos-financeiros sobre o apartamento. (Radar online/Veja.com)

Notícias Relacionadas

POLITICA 4643915733016436109

Postar um comentário

Enquete

Canal de Videos

Últimas Notícias

Encontre-nos no Facebook

CNT Oline

item